Candidato, Fávaro já gastou mais de R$ 50 mil em publicidade de curto mandato ‘tampão’

Candidato, Fávaro já gastou mais de R$ 50 mil em publicidade de curto mandato ‘tampão’

Candidato para se manter no cargo que está ocupando interinamente até a eleição suplementar, agendada para acontecer em novembro, o senador tampão Carlos Favaro (PSD) vem investindo dinheiro público na própria imagem e na divulgação de seu trabalho no Senado, desde que tomou posse no dia 17 de abril. Com pouco mais de 100 dias no Congresso, Fávaro já gastou cerca de 635,7% a mais do que o colega Jayme Campos (DEM) e 1.960% a mais do que Wellington Fagundes (PL), em divulgação parlamentar, em 2020.

Fávaro conseguiu chegar ao Senado após dura luta na justiça, que acabou culminando com a cassação da juíza aposentada Selma Arruda (Podemos), eleita como a mais votada em 2018, mas que perdeu o cargo pelas práticas de abuso de poder econômico e caixa 2.
 
Como não conseguiu ser empossado em definitivo, Fávaro, terceiro colocado em 2018, acabou sendo beneficiado, por decisão liminar do Supremo Tribunal Federal (STF), com a vantagem de ir para eleição de novembro ocupando o cargo.
 
Desde então, a publicidade vem sendo prioridade e o maior gasto de sua Cota para Exercício da Atividade Parlamentar, o famoso ‘cotão’, no seu até então, curto mandato.
 
Até o mês de julho, o interino gastou R$ 51,5 mil em divulgação da atividade parlamentar, de acordo com o Portal da Transparência do Senado. Deste recurso, além da contratação de uma equipe de comunicação e produção de vídeos, o senador usou mais de R$ 24 mil para patrocinar suas postagens na rede social Facebook.

Para se ter uma ideia do tamanho do gasto, o senador Jayme Campos usou em divulgação parlamentar, cerca de R$ 7 mil desde janeiro até o início de agosto deste ano. Já o senador Wellington Fagundes gastou apenas R$ 2,5 mil para a finalidade no mesmo período, ou seja, em um momento de pandemia, Fávaro gastou em pouco mais de três meses, aproximadamente 443% a mais do que os outros dois senadores mato-grossenses juntos, apenas com publicidade.

D TARTAS