Justiça Federal condena Nininho a 8 anos e dois meses de prisão

Justiça Federal condena Nininho a 8 anos e dois meses de prisão

Juiz diz que “no apagar das luzes”, Nininho pagou empresa mesmo sem a obra; ele era prefeito

Por: midianews

A Justiça Federal de Mato Grosso condenou o deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), a 8 anos e dois meses de prisão, em regime inicial fechado, por crime de responsabilidade. Fatos são relacionados à época em que ele era prefeito de Itiquira.

A sentença é assinada pelo juiz Victor de Carvalho Saboya Albuquerque, da 1ª Vara Federal de Rondonópolis, e foi publicada na última segunda-feira (25).

O deputado divulgou nota dizendo que recebeu com “indignação e perplexidade” a condenação (leia no final da matéria).

Também foram condenados a ex-tesoureira do Município, Odeci Terezinha Dalla Valle e o empresário de Denilson de Oliveira Graciano, proprietário da Produtiva Construção Civil LTDA — EPP. Odeci pegou 5 anos e 3 meses de prisão e Denilson, 5 anos e 9 meses. Todos podem recorrer em liberdade.

Nininho e Odeci ainda foram sentenciados a inabilitação do exercício de cargo ou função pública, eletivo ou por nomeação no prazo de cinco anos.

O magistrado ainda condenou os réus ao pagamento de R$ 116 mil ao erário.

Ondanir, no apagar das luzes de sua gestão, procedeu à transferência do valor integral do montante depositado na conta vinculado ao convênio em favor da empresa mesmo ciente da inexecução da obra

Denúncia do Ministério Público Federal (MPF) apontou desvio de dinheiro público no contrato celebrado entre o Município e a Produtiva Construção, para construção de uma escola infantil, no valor de R$ 707 mil.No total, o MPF apontou cinco irregularidades no contrato. Entre elas, o pagamento de R$ 77 mil à empresa por serviços não realizados.

“Considerando a vistoria realizada em 21/6/2012, os peritos calcularam em R$ 77.244,87 (a preços de junho/2008) os serviços pagos e não executados no âmbito do contrato n° 100/2008. Em valores corrigidos para o mês de junho de 2012 pelo INPC/IBGE, os serviços não executados e pagos indevidamente correspondem à quantia de R$ 95.748,25. Em valores corrigidos para o dia 2/7/2012 pela Taxa SELIC, os serviços não executados e pagos indevidamente correspondem à quantia de R$ 116.486,07”, disse em trecho de denúncia.

Na decisão, o juiz afirmou que Nininho autorizou o pagamento indevido no fim do seu mandado em 2008 “em que pese a inexecução satisfatória da obra da escola, a qual possuía execução física de apenas 63% naquele momento”.

“Dito de outro modo: Ondanir, no apagar das luzes de sua gestão, procedeu, com auxílio de Odeci, à transferência do valor integral do montante depositado na conta vinculado ao convênio em favor da empresa de Denilson, mesmo ciente da inexecução da obra pública, a caracterizar indubitavelmente a prática de crime de responsabilidade do prefeito”, disse em outro trecho da decisão.

“Por todo o exposto, demonstrados a materialidade, a autoria e o dolo na prática do crime previsto pelo art. 1º, I, do Decreto-Lei 201/67, haja vista que restou comprovado que Ondanir Bortolini, na qualidade de Prefeito de Itiquira/MT, e Odeci Terezinha Dalla Valle, na condição de Tesoureira do referido município, desviaram, em 17 e 24/12/2008, o valor de R$ 77.244,87 (sem atualização) em proveito de Denilson de Oliveira Graciano, proprietário da empresa Produtiva Construção Civil LTDA. – EPP”, finalizou o juiz.

O outro lado

O deputado estadual se manifestou sobre a decisão por meio de nota. Leia abaixo:

“Recebi com indignação e perplexidade a notícia da minha condenação assinada pelo juiz da 1ª Vara Federal de Rondonópolis no processo nº 732-10.2019.4.01.3602, da qual eu e nem a defesa técnica temos pleno conhecimento, pois ainda não fomos intimados. Sobre os fatos que o juiz entendeu por bem em acolher, esclareço que se trata de uma obra iniciada no último ano da minha gestão, enquanto prefeito do município de Itiquira-MT, cuja obra somente foi concluída e entregue nas gestões posteriores, quando eu não estava mais prefeito.

Era uma obra com recursos do Governo Federal, via FNDE, para a construção de Escola Infantil, que atualmente está em pleno funcionamento e é tida como escola modelo no município. A acusação refere-se a dois pagamentos a empresa responsável pela obra e durante a execução, na vigência do convênio, que foi inclusive aditado nas gestões posteriores. Tem-se alegado que esses pagamentos seriam irregulares porque o engenheiro da prefeitura não teria colocado um visto ou atesto nessas medições provisórias, compreendendo a 4ª e 5ª medições, por existir um descompasso entre os pagamentos/cronograma financeiro e a execução física da obra.

 

Foi um mero erro material, já sanado, e possível de assim ser esclarecido até a conclusão da obra, segundo atestou e recomendou a própria Controladoria-Geral da União (CGU). Ocorre que, além da regularidade desses pagamentos, sempre precedidos de nota fiscal e recolhimento de imposto, houve, no decorrer da obra, adequação entre esses cronogramas físico e financeiro, sendo que a escola foi devidamente concluída e entregue no ano de 2015, estando desde então em perfeito funcionamento, sendo prestadas as contas finais do convênio, inclusive com a restituição de parte dos recursos ao ente convenente (FNDE).

“Dito de outro modo: Ondanir, no apagar das luzes de sua gestão, procedeu, com auxílio de Odeci, à transferência do valor integral do montante depositado na conta vinculado ao convênio em favor da empresa de Denilson, mesmo ciente da inexecução da obra pública, a caracterizar indubitavelmente a prática de crime de responsabilidade do prefeito”, disse em outro trecho da decisão.

“Por todo o exposto, demonstrados a materialidade, a autoria e o dolo na prática do crime previsto pelo art. 1º, I, do Decreto-Lei 201/67, haja vista que restou comprovado que Ondanir Bortolini, na qualidade de Prefeito de Itiquira/MT, e Odeci Terezinha Dalla Valle, na condição de Tesoureira do referido município, desviaram, em 17 e 24/12/2008, o valor de R$ 77.244,87 (sem atualização) em proveito de Denilson de Oliveira Graciano, proprietário da empresa Produtiva Construção Civil LTDA. – EPP”, finalizou o juiz.

O outro lado

O deputado estadual se manifestou sobre a decisão por meio de nota. Leia abaixo:

“Recebi com indignação e perplexidade a notícia da minha condenação assinada pelo juiz da 1ª Vara Federal de Rondonópolis no processo nº 732-10.2019.4.01.3602, da qual eu e nem a defesa técnica temos pleno conhecimento, pois ainda não fomos intimados. Sobre os fatos que o juiz entendeu por bem em acolher, esclareço que se trata de uma obra iniciada no último ano da minha gestão, enquanto prefeito do município de Itiquira-MT, cuja obra somente foi concluída e entregue nas gestões posteriores, quando eu não estava mais prefeito.

Era uma obra com recursos do Governo Federal, via FNDE, para a construção de Escola Infantil, que atualmente está em pleno funcionamento e é tida como escola modelo no município. A acusação refere-se a dois pagamentos a empresa responsável pela obra e durante a execução, na vigência do convênio, que foi inclusive aditado nas gestões posteriores. Tem-se alegado que esses pagamentos seriam irregulares porque o engenheiro da prefeitura não teria colocado um visto ou atesto nessas medições provisórias, compreendendo a 4ª e 5ª medições, por existir um descompasso entre os pagamentos/cronograma financeiro e a execução física da obra.

 

Foi um mero erro material, já sanado, e possível de assim ser esclarecido até a conclusão da obra, segundo atestou e recomendou a própria Controladoria-Geral da União (CGU). Ocorre que, além da regularidade desses pagamentos, sempre precedidos de nota fiscal e recolhimento de imposto, houve, no decorrer da obra, adequação entre esses cronogramas físico e financeiro, sendo que a escola foi devidamente concluída e entregue no ano de 2015, estando desde então em perfeito funcionamento, sendo prestadas as contas finais do convênio, inclusive com a restituição de parte dos recursos ao ente convenente (FNDE).

 Visualização 873

admin

admin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.